Laroyê

Entendendo a construção de imagens como uma possibilidade de contra discurso às ideologias eurocêntricas do preconceito, esta realização busca acentuar positivamente a representação mítica do orisa Èsù. Èsù em yorubá significa “esfera” – aquilo que é infinito, que não tem começo e nem fim. Èsù é o princípio de tudo, a força da criação, o nascimento, o equilíbrio, a fertilidade, o tempo. É aquele que atira uma pedra ontem e mata um pássaro amanhã. É quem abre os caminhos e nos guia na luta contra o genocídio do povo negro. O filme busca representar, através da estética experimental, a simbologia de entrega do Padê -oferenda/comida para o Orixá Èsù (Exu).

Outras obras da categoria Olhares Dissidentes

© 2020 por Coquevídeo                                                      coquevideo@gmail.com